Ana Isabel Rodrigues

Oradora Convidada CIAIQ2019

Ana Isabel Barros Pimentel Rodrigues é professora adjunta do Instituto Politécnico de Beja (IPBeja), onde leciona desde 1997. Tem realizado o seu percurso de investigação nas áreas do Turismo, Comunicação e Investigação Qualitativa. É doutorada em Turismo pela Universidade do Algarve/Faculdade de Economia com a tese: “Lake-Destination Imagem Assessment – The Case of the Alqueva Lake”. É Mestre em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação pelo Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE/IUL), Departamento de Sociologia, com a tese aplicada à área de Turismo “Um Estudo sobre a Contribuição da Comunicação de Marketing na Formação de Imagem de Destinos Turísticos: o Caso do Alentejo”. É licenciada em Comunicação Social e Cultural – Variante de Turismo, Universidade Católica Portuguesa de Lisboa e Bacharel em Direção e Gestão de Operadores Turísticos, Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril. Tem participado como autora em encontros científicos nacionais e internacionais e possui publicações científicas no domínio do Turismo e Comunicação de Marketing. Tem sido revisora de artigos científicos na área do turismo no âmbito de seminários e revistas (peer review). É membro da Associação Internacional dos Métodos Mistos. Como principais interesses de investigação destacam-se as temáticas relacionadas com marketing turístico, comunicação/promoção turística, criação de imagem de destinos, utilização de metodologias qualitativas aplicadas ao turismo, em particular a aplicação de métodos visuais, turismo experiencial, teoria de ensino experiencial aplicado ao Turismo. Para mais detalhe sobre o trabalho desenvolvido sugere-se a consulta da página pessoal no Research Gate, disponível em https://www.researchgate.net/profile/Ana_Rodrigues103

As Imagens têm Vida? O Método e o Dado Visual em Investigação Qualitativa
Uma imagem é sempre uma forma de compreendermos o mundo que nos rodeia. Segundo Berger, no seu Ensaio sobre a imagem em 1972, “seeing comes before words”. Vivemos numa sociedade profundamente marcada por uma cultura visual e, por essa razão, novos contextos e fenómenos se relevam ao investigador. Uma “construção visual do campo social” como Micthell denomina, originando novos objetos de estudo marcados por representações visuais que parecem “ter vida”. Novas abordagens, métodos e técnicas são necessários por forma a extraírem o valor científico que essas imagens contêm. Um novo campo de estudo surge assim em investigação qualitativa. Segundo Gillian Rose, o campo dos “Métodos de Investigação Visual” (MIV), com as suas raízes de aplicação primeiramente na antropologia visual e, depois, na sociologia visual. A presente comunicação identifica, num primeiro momento, o estado da arte sobre a utilização de abordagens, métodos e técnicas de investigação visual. É preciso ter uma noção do conhecimento científico produzido sobre um dado fenómeno para refletir sobre o seu potencial de desenvolvimento no futuro. Em seguida discute-se, sistematizando, a importância e o papel que o dado visual (estático ou dinâmico) assume nos dias de hoje em investigação qualitativa para, numa fase posterior, surgir reflexão e pensamento crítico sobre os desafios – quer ao nível do conhecimento, quer ao nível da aplicação – desta recente área de investigação. Esta comunicação explora também técnicas de análise de dados visuais, uma forma de “dar vida às imagens”, com utilização de software específico de análise de dados qualitativos.